Início > Textos de Divulgação > Introdução a Microbiologia

Usuários Online

Nós temos 5 visitantes online
Introdução a Microbiologia
Francisco Gorgonio da Nóbrega - Professor aposentado do ICB/USP, atualmente na FO/UNESP -  São José dos Campos, SP (LattesNelma Regina Segnini Bossolan (Lattes)


Introdução Resumida
do 
Capítulo 8, pg 115 a 128 do volume Ciências, vol 18, 2011, MEC


No século XVII, a “descoberta” dos microrganismos esteve associada à invenção do microscópio. Nessa época, um modelo simples utilizado por Antony van Leeuwenhoek (pronuncia-se lêiven ruk), um comerciante holandês que tinha como passatempo fazer lentes, permitiu que ele observasse na água de chuva o que chamou de “animálculos”, provavelmente referindo-se a bactérias e protozoários.

A Microbiologia teve um grande avanço no período de 1857 a 1914, particularmente na Europa. 
Louis Pasteur estabeleceu a relação entre o processo de fermentação do vinho com microrganismos (no caso, as leveduras, organismos unicelulares pertencentes ao Reino dos Fungos) e, na busca de uma solução para um problema dos viticultores de uma região da França – a acidificação dos vinhos armazenados – relacionou essa deterioração com a contaminação por bactérias. Pasteur descobriu que, aquecendo o vinho a uma temperatura de 56ºC, os organismos que alteravam o gosto do vinho eram eliminados. Esse processo ficou conhecido como pasteurização, ainda hoje largamente utilizado na indústria de alimentos, principalmente como processo de conservação do leite.

Os estudos de Robert Koch, um médico alemão, forneceram a primeira prova de que as bactérias eram a causa de determinadas doenças. Em 1876, ao pesquisar o carbúnculo , doença que acometia rebanhos de gado e ovelhas na Europa, Koch constatou a presença de microrganismos em forma de bastonetes no sangue dos animais infectados. Comprovou que o sangue dos animais doentes, injetado em ovelhas sadias, causava doença igual. Conseguiu também cultivar tais bactérias fora do corpo do animal, em soluções nutritivas .

Mas esse seu início associado a doenças e a preocupação com a saúde, contribui para que a primeira ideia associada pelas pessoas ao se falar em microrganismo (ou micróbio, germe, bactéria) seja a de agente causador de doenças. A presença natural dos microrganismos em nosso corpo deve ser, portanto, lembrada: eles estão em toda a pele e cabelos, aparecendo em maior número em regiões quentes e úmidas. Elas habitam todo o tubo digestivo, da boca ao ânus. No intestino grosso, local onde as fezes começam a ser formadas, vive um número enorme de bactérias que também sintetizam as vitaminas B12 e K, essenciais ao homem e que são absorvidas a partir das paredes intestinais. Os casos de diarreias observadas raramente, em algumas pessoas, após tratamento com antibióticos, são explicados pelo fato do remédio agir também sobre certas bactérias da microbiota normal do trato intestinal (microbiota é o conjunto dos microrganismos que habitam um determinado local ou ecossistema). Essa microbiota, em situações normais, inibe espécies oportunistas causadoras de infecções gastrointestinais, como a bactéria Clostridium difficile que, sem a competição da microbiota normal, pode proliferar excessivamente e resultar em diarreia e febre. O uso de antibióticos em excesso ou incorretamente, pode também eliminar a microbiota bacteriana normal da vagina de uma mulher adulta, favorecendo a proliferação excessiva de fungos, como a levedura Candida albicans

LINKS EXTERNOS
Para saber mais sobre os demais temas tratados no capítulo completo em nível básico
 
Vídeos
 
Web Analytics